terça-feira, 26 de maio de 2009

Realizado ato unificado contra o aumento da tarifa do transporte coletivo em São José do Rio Preto

Ontem pela manhã um ato unificado foi realizado pelos movimentos sociais da cidade de São José do Rio Preto, nele compareceram representantes da União da Juventude Socialista, da JPT, do Núcleo de Apoio a Reforma Agrária (NARA), do Movimento Anarquista e músicos da cidade. O ato que partiu do terminal rodoviário e seguiu até a prefeitura municipal visava uma contenção da medida que seria tomada pelo prefeito Valdomiro Lopes (PSB), que seria o aumento da tarifa do transporte coletivo da cidade, concedida a empresa Circular Santa Luzia que detém 95% das linhas urbanas do município. Segundo José Paulo, Presidente da UJS de São José do Rio Preto “o aumento das tarifas é mais uma medida que mostra como o governo na cidade é “pelego” da empresa e que isso estava implícito desde a eleição do prefeito durante o ano passado, já que o seu vice é advogado da empresa” e complementa “essa é uma medida que vai contra os trabalhadores e estudantes, contra a população de rio preto em geral, e o governo que deveria ficar ao lado do povo, defende o interesse de alguns poucos coronéis na cidade”.

O Reajuste foi anunciado logo após, em uma manobra do prefeito Valdomiro Lopes que se quer apareceu para se pronunciar, mandando assim os seus secretários anunciarem a medida. O reajuste nas tarifas foi de 9,52%, o que em valores, passou de R$2,10 para R$2,30. Juntamente o prefeito também anunciou o reajuste da água no município que vai ser de 5,61%.


Coronelismo à moda da casa

Durante o ato o prefeito e seu governo mostraram a face conservadora e totalmente contra os movimentos sociais, enquanto as lideranças do movimento tentavam dialogar com o prefeito, querendo uma retratação do prefeito sobre o aumento das tarifas de ônibus na ante sala do seu gabinete, a Guarda Municipal entrou no prédio distribuindo jatos de spray de pimenta e golpes de cacetete nos integrantes do movimento, durante a invasão uma munícipe idosa que estava na ante sala também sofreu com o gás de pimenta, até os funcionários do gabinete foram atingidos, o músico Rodrigo Sacco que foi agredido pela guarda municipal e ficou com marcas visíveis ainda foi detido por apenas se revoltar contra a repressão sofrida e pela agressão. Segundo o chefe de gabinete do prefeito, o governo não dialoga com os movimentos sociais.


Por Marcus de Marchi
Dir. de Comunicação da UJS Rio Preto, munícipe e repreendido no ato.

2 comentários:

Loli UJS Araçatuba disse...

Solidariedade aos camaradas de Rio Preto!
Desejo sorte nessa luta pesada que vcs tão dispostos a vencer!
E que repreendam cada vez mais se for o caso, vcs não irão se calar! Espero que não seja o caso!
Força!

Renata, UJS ata disse...

Aos nossos companheiros de Rio Preto saibam que essa luta tbm é nossa, por uma sociedade mais justa; e ate quando teremos que viver nessa ditadura mascarada???
Temos que derrubar esses governos de tucanos que se vestem de vermelho...
Minha total admiração a vc´s e boa luta...
Saudações socialistas.